2 de fevereiro de 2017

Capítulo Dois

— Eu quero ir.
— Não.
Cruzei os braços, enfiando a mão tatuada sob o bíceps direito, e separei um pouco mais os pés no piso de terra dos estábulos.
— Faz três meses. Nada aconteceu, e a aldeia não fica nem a oito quilômetros...
— Não. — O sol do meio da manhã que entrava pelas portas do estábulo refletia nos cabelos dourados de Tamlin conforme ele terminava de afivelar o boldrié de adagas sobre o peito. O rosto de Tamlin, lindo de um jeito másculo, exatamente como eu sonhei que seria durante aqueles longos meses em que usou a máscara, estava determinado, os lábios, dispostos em uma linha fina.
Atrás de Tamlin, já montado no cavalo cinza malhado, junto de outros três senhores-sentinelas feéricos, Lucien silenciosamente sacudia a cabeça em aviso, o olho de metal entreaberto. Não o provoque, era o que parecia dizer.
Mas, quando Tamlin seguiu para o lugar em que o cavalo preto já estava selado, trinquei os dentes e o segui.
— A aldeia precisa de toda a ajuda que puder.
— E nós ainda estamos caçando as bestas de Amarantha — disse ele ao montar o cavalo com um movimento fluido. Às vezes, eu me perguntava se os cavalos eram apenas para manter a aparência de civilidade, de normalidade. Para fingir que Tamlin não podia correr mais rápido que eles, que não vivia com um pé na floresta. Os olhos verdes de Tamlin pareciam lascas de gelo quando o cavalo começou a trotar. — Não tenho sentinelas sobrando para escoltá-la.
Disparei para as rédeas.
— Não preciso de escolta. — Segurei mais firme no couro quando puxei o cavalo a fim de que parasse, e o anel de ouro em meu dedo, com a esmeralda quadrada que brilhava sobre ele, refletiu a luz do sol.
Fazia dois meses que Tamlin propusera casamento, dois meses suportando apresentações sobre flores e roupas e arranjo de assentos e comida. Tive um leve descanso uma semana antes, graças ao Solstício de Inverno, embora eu tivesse trocado contemplar renda e seda por escolher grinaldas e festões. Mas pelo menos fora um descanso.
Três dias de banquete e bebidas e troca de pequenos presentes, culminando em uma cerimônia longa, muito irritante, no alto das colinas na noite mais longa, que nos acompanharia de um ano para o seguinte conforme o sol morria e nascia de novo. Ou algo assim. Celebrar uma festa de inverno em um lugar permanentemente envolto em primavera não fizera muito para melhorar minha total falta de entusiasmo festivo.
Não prestei muita atenção às explicações das origens do festival... e os próprios feéricos debateram se tinha surgido na Corte Invernal ou na Corte Diurna. Ambas agora alegavam que era sua festividade mais sagrada. Eu só sabia mesmo que precisava suportar duas cerimônias: uma ao pôr do sol para dar início àquela noite infinita de presentes e danças e bebidas em honra da morte do velho sol; e outra no alvorecer do dia seguinte, com os olhos vermelhos e os pés doendo, para receber o renascimento do sol.
Era ruim o bastante que tivessem solicitado minha presença diante dos cortesãos reunidos e dos feéricos inferiores enquanto Tamlin fazia os muitos brindes e as saudações. Mencionar que meu aniversário também caíra naquela que era a mais longa das noites do ano era um fato que eu convenientemente havia esquecido de contar a todos. Recebi muitos presentes, de toda forma — e sem dúvida receberia muitos, muitos mais no dia do casamento. Não tinha muita utilidade para tantas coisas.
Agora, faltavam apenas duas semanas até a cerimônia. Se eu não saísse da mansão, se não tivesse um dia para fazer alguma coisa que não gastar o dinheiro de Tamlin e ter pessoas curvadas a meus pés...
— Por favor. Os trabalhos de recuperação estão muito lentos. Eu poderia caçar para os aldeões, conseguir comida para eles...
— Não é seguro — disse Tamlin, mais uma vez incitando o cavalo para que se movesse. A pelagem do animal brilhava como um espelho negro mesmo à sombra dos estábulos. — Principalmente para você.
Tamlin dizia isso todas as vezes que tínhamos aquela discussão; sempre que eu implorava sua permissão para ir até a aldeia de Grão-Feéricos mais próxima, a fim de ajudar a reconstruir o que Amarantha queimara anos antes.
Eu o segui em direção ao dia claro e de céu limpo além dos estábulos; o gramado cobria as colinas próximas, ondulando à leve brisa.
— As pessoas querem voltar, querem um lugar para viver...
— Essas mesmas pessoas a veem como uma benção, um sinal de estabilidade. Se algo acontecesse a você... — Tamlin se interrompeu quando parou o cavalo na beira de uma trilha de terra que o levaria para os bosques a leste; Lucien agora esperava a alguns metros de distância. — Não há por que reconstruir nada se as criaturas de Amarantha devastam as terras e destroem-nas de novo.
— Os feitiços estão ativados...
— Algumas criaturas escaparam antes que as proteções fossem reparadas. Lucien caçou cinco naga ontem.
Virei a cabeça para Lucien, que encolheu o corpo. Ele não tinha me contado isso no jantar da véspera. Lucien mentira quando perguntei por que estava mancando. Meu estômago se revirou; não apenas por causa da mentira, mas... naga. Às vezes eu sonhava com o sangue deles me encharcando enquanto eu os matava, dos rostos viperinos cheios de luxúria enquanto tentavam me cortar no bosque.
Tamlin falou, baixinho:
— Não posso fazer o que preciso se estiver preocupado com sua segurança.
— É claro que estarei segura. — Como Grã-Feérica, com minha força e minha velocidade, eu teria boas chances de fugir caso algo acontecesse.
— Por favor... por favor, faça isso por mim — pediu Tamlin, acariciando o grande pescoço do cavalo enquanto o animal relinchava impacientemente. Os outros já cavalgavam a trotes leves, os primeiros quase alcançando a sombra do bosque. Tamlin inclinou o queixo na direção da mansão de alabastro que se erguia atrás de mim. — Tenho certeza de que há coisas em que você pode ajudar na casa. Ou poderia pintar.
Experimente aquele novo conjunto que lhe dei no Solstício de Inverno.
Não havia nada exceto planos de casamento me esperando na casa desde que Alis se recusara a me deixar erguer um dedo para fazer qualquer coisa. Não por causa de quem eu era para Tamlin, o que eu estava prestes a me tornar para Tamlin, mas... por causa do que eu tinha feito por ela, pelos meninos, por Prythian. Todos os criados faziam o mesmo, alguns ainda choravam de gratidão quando passavam por mim nos corredores.
E quanto a pintar...
— Tudo bem — suspirei. Eu me obriguei a encarar Tamlin, me obriguei a sorrir. — Cuidado — aconselhei, e fui sincera. A ideia de Tamlin lá fora, caçando os monstros que um dia serviram Amarantha...
— Amo você — disse Tamlin, baixinho.
Assenti, murmurando de volta conforme ele cavalgava até onde Lucien ainda esperava; o emissário agora franzia levemente a testa. Não os observei partir.
Eu me demorei voltando pelas cercas vivas dos jardins, os pássaros da primavera cantavam alegremente, cascalho estalava sob meus sapatos finos.
Odiava os vestidos coloridos que tinham se tornado meu uniforme diário, mas não tinha coragem de confessar a Tamlin; não quando ele havia comprado tantos, não quando parecia tão feliz ao me ver usando-os. Não quando as palavras de Tamlin não estão longe de serem verdade. No dia em que eu vestisse a calça e a túnica, no dia em que prendesse armas ao corpo como se fossem joias finas, mandaria uma mensagem alta e clara pela terra. Então, eu usava os vestidos e deixava que Alis arrumasse meu cabelo... ao menos para garantir àquelas pessoas alguma paz e conforto.
Pelo menos Tamlin não se opunha à adaga que eu levava na lateral do corpo, pendurada em um cinto coberto de joias. Lucien me presenteara com ambos — a adaga, durante os meses que precederam Amarantha, o cinto, durante as semanas seguintes à queda da Grã-Rainha, quando eu carregava a adaga, junto a muitas outras, por todo canto. Pode ao menos ficar bonita se vai se armar até os dentes, dissera ele.
Mas, mesmo que a estabilidade reinasse durante cem anos, eu duvidava que jamais acordasse certa manhã e não levasse a faca.
Cem anos.
Eu tinha isso; tinha séculos diante de mim. Séculos com Tamlin, séculos naquele lugar lindo e tranquilo. Talvez eu me ajustasse em algum momento pelo caminho.
Talvez não.
Parei diante das escadas que davam para a casa coberta de rosas e heras, e olhei para
a direita... na direção do roseiral e das janelas logo além deste.
Só havia colocado os pés naquele cômodo — meu antigo estúdio de pintura — uma vez, assim que voltei.
E todas aquelas pinturas, todos os materiais, todas aquelas telas em branco esperando que eu despejasse histórias e sentimentos e sonhos... odiei aquilo.
Saí de lá momentos depois e não voltei desde então.
Tinha parado de catalogar cores e sensações e texturas, parado de reparar nisso. Mal conseguia olhar para as pinturas penduradas dentro da mansão.
Uma voz doce e feminina cantarolou meu nome de dentro das portas abertas da casa, e a tensão em meus ombros se aliviou um pouco.
Ianthe. A Grã-Sacerdotisa, assim como nobre Grã-Feérica e amiga de infância de Tamlin, que tomara para si a tarefa de ajudar a planejar as festividades do casamento.
E que tinha assumido a tarefa de adorar Tamlin e eu como se fôssemos deuses recém-criados, abençoados e escolhidos pelo próprio Caldeirão.
Mas não reclamei; não quando Ianthe conhecia todos na corte e fora desta. Ela ficava ao meu lado nos eventos e jantares, me passando detalhes sobre aqueles que participavam, e era o principal motivo pelo qual eu sobrevivera ao furacão de animação do Solstício de Inverno. Afinal de contas, fora Ianthe quem presidira as diversas cerimônias — e fiquei mais que feliz em deixar que ela escolhesse que tipos de festões e grinaldas deveriam adornar a mansão e a propriedade, que talheres complementavam cada refeição.
Além disso... embora fosse Tamlin quem pagava minhas roupas do dia a dia, era o olho de Ianthe que as escolhia. Ela era o coração do próprio povo, consagrada pela Mão da Deusa para liderá-los para fora do desespero e da escuridão.
Eu não estava em posição de duvidar. Ianthe ainda não tinha me levado para o mau caminho... e eu aprendi a detestar os dias em que ela estava ocupada no templo ou na propriedade, tomando conta de peregrinos e de seus acólitos. Aquele dia, no entanto... sim, ficar com Ianthe era melhor que a alternativa.
Reuni as saias esvoaçantes de vestido rosa como a alvorada com uma das mãos e subi os degraus de mármore até a casa.
Da próxima vez, prometi a mim mesma. Da próxima vez eu convenceria Tamlin a me deixar ir à aldeia.
***
— Ah, não podemos deixar que ela se sente ao lado dele. Eles se atracariam, e então teríamos sangue estragando as toalhas de mesa. — Sob o capuz pálido, azul-acinzentado, Ianthe franziu a testa, enrugando a tatuagem que ali estampava os diversos estágios de ciclo da lua. A sacerdotisa riscou o nome que escrevera em um dos esquemas de assentos momentos antes.
O dia tinha ficado quente, o cômodo estava um pouco abafado, apesar da brisa que entrava pelas janelas abertas. Mesmo assim, a túnica pesada com capuz permanecia.
Todas as Grã-Sacerdotisas usavam as vestes de camadas oscilantes, habilidosamente entrelaçadas, embora certamente estivessem longe de serem matronas. A cintura fina de Ianthe era destacada por um estreito cinto com pedras transparentes azul-celeste, cada uma perfeitamente oval e presa por prata reluzente. E sobre o capuz de Ianthe havia uma tiara combinando: um arco delicado de prata com uma grande pedra no centro. Um pedaço de tecido tinha sido dobrado sob a tiara, um retalho embutido para ser colocado sobre a testa quando Ianthe precisasse rezar, suplicar ao Caldeirão e à Mãe, ou apenas refletir.
Ianthe me mostrou certa vez como era o tecido abaixado: deixava à mostra apenas o nariz e a boca farta e sensual. A Voz do Caldeirão. Achei a imagem perturbadora — o fato de que simplesmente cobrir a parte superior do rosto, de alguma forma, transformasse a mulher alegre e esperta em uma efígie, em algo dissonante. Ainda bem que Ianthe mantinha o tecido dobrado na maior parte do tempo. De vez em quando ela até tirava o capuz de vez para permitir que o sol brincasse com os longos cabelos dourados e levemente ondulados.
Os anéis prateados de Ianthe reluziam nos dedos de unhas feitas conforme a sacerdotisa escrevia outro nome.
— É como um jogo — disse ela, suspirando pelo nariz arrebitado. — Todas essas peças, lutando por poder e domínio, determinadas a derramar sangue caso necessário.
Deve ser um ajuste estranho para você.
Tanta elegância e riqueza, mas a selvageria permanecia. Os Grão-Feéricos não eram como os nobres afetados do mundo mortal. Não, se brigassem, aquilo terminaria com alguém sendo estripado em pedaços sanguinolentos. Literalmente.
Certa vez, eu tremera de medo ao compartilhar o mesmo espaço que eles.
Flexionei os dedos, esticando e contorcendo as tatuagens gravadas na pele.
Agora eu podia lutar ao lado deles, contra eles. Não que tivesse tentado.
Era vigiada demais... monitorada e julgada demais. Por que a noiva do Grão Senhor aprenderia a lutar se a paz tinha retornado? Essa fora a argumentação de Ianthe quando cometi o erro de mencionar o assunto em um jantar. Tamlin, para seu crédito, enxergara os dois lados: eu aprenderia a me defender... mas os boatos se espalhariam.
— Humanos não são muito melhores — revelei a Ianthe, por fim. E porque ela era basicamente a única de minhas novas companhias que não parecia particularmente chocada ou assustada comigo, tentei puxar conversa e falei: — Minha irmã Nestha provavelmente se encaixaria bem.
Ianthe inclinou a cabeça, e a luz do sol fez com que as pedras azuis no alto do capuz da sacerdotisa brilhassem.
— Sua família mortal vai se juntar a nós?
— Não. — Eu não pensei em convidá-los... não quis expô-los a Prythian. Ou ao que eu havia me tornado.
Ianthe tamborilou um dedo longo e esguio na mesa.
— Mas eles moram tão perto da muralha, não moram? Se for importante para você tê-los aqui, Tamlin e eu poderíamos garantir uma jornada segura para eles. — Nas horas que tínhamos passado juntas, eu contara a Ianthe sobre a aldeia e sobre a casa na qual minhas irmãs agora viviam, sobre Isaac Hale e sobre Tomas Mandray. Não consegui mencionar Clare Beddor ou o que aconteceu com sua família.
— Por mais que se contivesse — falei, lutando contra a lembrança daquela garota humana e do que eu tinha feito a ela —, minha irmã Nestha detesta seu tipo.
— Nosso tipo — corrigiu Ianthe, baixinho. — Já conversamos sobre isso.
Eu apenas assenti.
Mas ela continuou.
— Somos antigos e espertos, e gostamos de usar palavras como lâminas e garras. Cada palavra de sua boca e cada frase formulada serão julgadas, e possivelmente usadas contra você. — Como se para suavizar o aviso, Ianthe acrescentou: — Mantenha a guarda, Senhora.
Senhora. Um nome insano. Ninguém sabia como me chamar. Eu não nasci Grã-
Feérica.
Tinha sido feita... ressuscitada e presenteada com esse novo corpo pelos sete Grão Senhores de Prythian. Eu não era a parceira de Tamlin, até onde sabia. Não havia laço de parceria entre nós... ainda.
Sinceramente... Sinceramente, Ianthe, com os reluzentes cabelos dourados, aqueles olhos azuis, as feições elegantes e o corpo esguio parecia mais com a parceira de Tamlin.
Sua semelhante. Uma união com Tamlin — um Grão-Senhor e uma Grã-Sacerdotisa — mandaria uma mensagem clara de força para qualquer possível ameaça a nossas terras. E garantiria o poder que Ianthe sem dúvida estava determinada a reunir para si.
Entre os Grão-Feéricos, as sacerdotisas supervisionavam as cerimônias e os rituais, registravam as histórias e as lendas, e aconselhavam os senhores e as senhoras em assuntos importantes e triviais. Eu não vira nenhuma magia de Ianthe, mas, quando perguntei a Lucien, ele franziu a testa e disse que a magia delas vinha das cerimônias e poderia ser definitivamente letal caso as sacerdotisas quisessem. Observei Ianthe durante o Solstício de Inverno em busca de sinais da magia, reparando na forma como se posicionou, de modo que o sol nascente preenchesse seus braços erguidos, mas não ouve onda ou estrondo de poder. De Ianthe ou da terra sob nós.
Não sabia o que realmente esperava de Ianthe — uma das 12 Grã-Sacerdotisas que, juntas, governavam suas irmãs por todo o território de Prythian. Antiga, celibatária e silenciosa era até onde iam minhas expectativas, graças àquelas lendas mortais sussurradas, quando Tamlin anunciou que uma velha amiga em breve ocuparia e renovaria o complexo em ruínas do templo em nossas terras. Mas Ianthe entrara como uma brisa em nossa casa na manhã seguinte, e aquelas expectativas imediatamente foram sufocadas. Principalmente a parte sobre celibato.
Sacerdotisas podiam se casar, ter filhos e flertar o quanto quisessem. Seria uma desonra ao dom da fertilidade do Caldeirão trancafiar seus instintos, sua inerente magia feminina para gerar a vida, foi o que Ianthe me disse certa vez.
Então, enquanto os sete Grão-Senhores governavam Prythian em seus tronos, as 12 Grã-Sacerdotisas reinavam nos altares, e os filhos delas eram tão poderosos e respeitados quanto os filhos de qualquer senhor. E Ianthe, a mais nova Grã-Sacerdotisa em três séculos, permanecia solteira, sem filhos e ansiosa por se deliciar com os melhores machos que a terra tem a oferecer.
Eu costumava me perguntar como era ser tão livre e tão bem-resolvida.
Quando não respondi à suave reprimenda de Ianthe, ela falou:
— Já pensou na cor das rosas? Branco? Rosa? Amarelo? Vermelho...
— Vermelho não.
Eu odiava essa cor. Mais que qualquer coisa. O cabelo de Amarantha, todo aquele sangue, os cortes no corpo destruído de Clare Beddor, pregado à parede em Sob a Montanha...
— Um castanho-avermelhado poderia ficar bonito com todo esse verde... Mas talvez
seja Corte Outonal demais. — De novo, o dedo tamborilando na mesa.
— A cor que você quiser. — Se eu fosse sincera comigo mesma, admitiria que Ianthe tinha se tornado uma muleta para mim. Mas ela parecia disposta a fazer isso... a se importar quando eu não conseguia.
Mas as sobrancelhas de Ianthe se ergueram levemente.
Apesar de ser uma Grã-Sacerdotisa, Ianthe e a família haviam burlado os horrores de Sob a Montanha ao fugir. O pai, um dos mais fortes aliados de Tamlin entre a Corte Primaveril e um capitão das forças do Grão-Senhor, tinha sentido os problemas se aproximando e despachou Ianthe, a mãe dela e duas irmãs mais novas para Vallahan, um dos incontáveis territórios feéricos do outro lado do oceano. Durante cinquenta anos, elas viveram na corte estrangeira, demorando-se enquanto o próprio povo era massacrado e escravizado.
Ianthe não mencionara isso nem uma vez. Eu sabia que não devia perguntar.
— Cada elemento deste casamento manda uma mensagem não apenas para Prythian, mas para o mundo além — disse ela. Contive um suspiro. Eu sabia... Ianthe tinha me dito isso antes. — Sei que não gosta muito do vestido.
Aquilo era dizer pouco. Eu odiava a monstruosidade de tule que Ianthe escolhera. Tamlin também; embora tenha gargalhado até ficar rouco quando mostrei a ele, na privacidade do quarto. Mas Tamlin me prometeu que, embora achasse que o vestido era absurdo, a sacerdotisa sabia o que estava fazendo. Eu queria revidar; odiava o fato de que, apesar de Tamlin ter concordado comigo, ficara do lado dela, mas... aquilo exigia mais energia do que valia a pena.
Ianthe continuou:
— Mas passa a mensagem certa. Estive com membros de cortes o suficiente para saber como eles operam. Confie em mim nisso.
— Eu confio em você — falei, e gesticulei com a mão na direção dos papéis diante de nós. — Sabe como fazer essas coisas, eu não.
Prata tilintou nos pulsos de Ianthe, tão parecida com as pulseiras que os Filhos dos Abençoados usavam do outro lado da muralha. Eu às vezes me perguntava se aqueles humanos tolos tinham roubado a ideia das Grãs-Sacerdotisas de Prythian... se foram sacerdotisas como Ianthe que espalharam tal loucura entre os humanos.
— É um momento importante para mim também — disse Ianthe, com cautela, ajustando a tiara sobre o capuz. Olhos azuis encararam os meus. — Você e eu somos tão parecidas... jovens, inexperientes diante desses... lobos. Sou grata a você, e a Tamlin, por permitirem que eu realize a cerimônia, que seja convidada a trabalhar nesta corte, que seja parte desta corte. As outras Grãs-Sacerdotisas não gostam muito de mim, e eu não gosto delas, mas... — Ianthe sacudiu a cabeça, o capuz oscilou com ela. — Juntos — murmurou —, nós três formamos uma unidade formidável. Quatro, se contar com Lucien. — Ianthe riu com deboche. — Não que ele queira ter algo a ver comigo.
Uma sentença sugestiva.
Ianthe costumava encontrar desculpas para mencionar Lucien, para encurralá-lo em eventos, tocar-lhe o cotovelo ou o ombro. Lucien ignorava tudo isso. Na semana anterior, eu finalmente perguntei a Lucien se Ianthe nutria sentimentos por ele, e Lucien apenas me olhou, deu um grunhido baixinho e saiu batendo os pés. Interpretei isso como um sim.
Mas uma parceria com Lucien seria quase tão benéfica quanto uma com Tamlin: o braço direito do Grão-Senhor e o filho de outro Grão-Senhor... Qualquer cria da união seria poderosa, cobiçada.
— Sabe que é... difícil para ele, no que diz respeito às fêmeas — ponderei, em tom neutro.
— Ele já esteve com muitas fêmeas desde a morte da amante.
— Talvez seja diferente com você, talvez signifique algo para o qual Lucien não está pronto. — Gesticulei com os ombros, buscando as palavras certas. — Talvez ele se afaste por causa disso.
Ianthe ficou refletindo, e rezei para que ela tivesse engolido minha meia mentira. A sacerdotisa era ambiciosa, inteligente, linda e ousada... mas eu não achava que Lucien a perdoara, ou jamais perdoaria, por ter fugido durante o reinado de Amarantha. Às vezes eu sinceramente me perguntava se meu amigo poderia rasgar o pescoço de Ianthe por isso.
Ianthe assentiu por fim.
— Você está ao menos animada para o casamento?
Brinquei com o anel de esmeralda.
— Vai ser o dia mais feliz de minha vida.
No dia em que Tamlin me pediu em casamento, eu certamente me senti dessa forma. Chorei de alegria quando disse que sim, sim, mil vezes sim, e fiz amor com ele no campo de flores selvagens para o qual Tamlin me levara para a ocasião.
Ianthe assentiu.
— A união é abençoada pelo Caldeirão. Você ter sobrevivido aos horrores em Sob a Montanha apenas comprova isso.
Percebi o olhar de Ianthe então... na direção de minha mão esquerda, das tatuagens.
Foi difícil não enfiar a mão debaixo da mesa.
A tatuagem na testa de Ianthe era de uma tinta azul como a meia-noite, mas, de alguma forma, combinava, destacava os vestidos femininos, as joias de prata reluzente.
Diferentemente da brutalidade da minha.
— Poderíamos comprar luvas para você — sugeriu Ianthe, casualmente.
E isso mandaria outra mensagem; talvez para a pessoa que eu tão desesperadamente esperava que tivesse esquecido de minha existência.
— Vou considerar — concedi, com um sorriso fraco.
Foi um esforço evitar disparar antes que a hora terminasse e Ianthe fosse suavemente para seu quarto particular de orações — um presente de Tamlin na ocasião do retorno da sacerdotisa — para oferecer o agradecimento do meio-dia ao Caldeirão pela libertação de nossa terra, por meu triunfo e pelo domínio assegurado de Tamlin sobre aquela propriedade.
Eu às vezes debatia se deveria pedir que Ianthe também rezasse por mim.
Que rezasse para que um dia eu aprendesse a amar os vestidos, e as festas, e meu papel como uma noivinha linda e corada.
***
Eu já estava na cama quando Tamlin entrou no quarto, silencioso como um cervo no bosque. Ergui a cabeça, me dirigindo à adaga que mantinha na mesa de cabeceira, mas relaxei quando vi os ombros largos e a luz de velas do corredor que delineava a pele bronzeada e escondia o rosto de Tamlin em sombra.
— Você está acordada? — murmurou Tamlin. Eu conseguia ouvir a expressão do rosto franzido em sua voz. Ele estivera no escritório desde o jantar, organizando a papelada que Lucien soltara na escrivaninha dele.
— Não consegui dormir — falei, observando os músculos de Tamlin se contraírem conforme ele se dirigia ao banheiro para se limpar. Eu tentava dormir havia uma hora, mas, sempre que fechava os olhos, meu corpo travava e as paredes do quarto pareciam se fechar. Cheguei a abrir as janelas, mas... Aquela seria uma longa noite.
Eu me recostei nos travesseiros, ouvindo os ruídos constantes e eficientes de Tamlin se arrumando para deitar. Ele tinha o próprio quarto, achava vital que eu tivesse meu espaço.
Mas dormia ali todas as noites. Eu ainda não visitara a cama de Tamlin, embora me perguntasse se nossa noite de núpcias mudaria isso. Rezava para que eu não me debatesse até acordar e vomitasse nos lençóis quando não reconhecesse o lugar em que estava, quando não soubesse se a escuridão era permanente.
Talvez fosse por isso que ainda não tivéssemos tocado no assunto.
Tamlin saiu do banheiro, tirou a túnica e a camisa, e eu me apoiei nos cotovelos para observar enquanto ele parava na beira da cama.
Minha atenção foi imediatamente para os dedos fortes e habilidosos que abriram a calça de Tamlin.
Ele soltou um grunhido baixo de aprovação, e mordi o lábio inferior quando Tamlin tirou a calça, junto da cueca, revelando toda a sua orgulhosa e grossa extensão. Minha boca secou, e percorri seu tronco musculoso com o olhar, passando pelo peitoral; então...
— Venha cá — grunhiu Tamlin, a voz tão áspera que as palavras eram quase indiscerníveis.
Afastei os cobertores, revelando meu corpo já nu, e ele sibilou.
A expressão de Tamlin se tornou voraz quando eu engatinhei pela cama e levantei o corpo, me apoiando sobre os joelhos. Segurei o rosto dele com as mãos, a pele dourada emoldurada por dedos marfim e espirais negras, e o beijei.
Tamlin me encarou durante o beijo, mesmo quando me aproximei, segurando um ruído baixo quando ele roçou o corpo em minha barriga.
As mãos calejadas de Tamlin roçaram meus quadris, minha cintura, e então me prenderam no lugar enquanto ele abaixava a cabeça, saboreando o beijo. O toque de sua língua contra a borda de meus lábios fez com que eu me abrisse toda para ele, e Tamlin entrou, me reivindicando, me marcando.
Gemi, então, e inclinei a cabeça para trás, facilitando seu acesso. As mãos de Tamlin se fecharam em minha cintura, depois se moveram — uma segurou minha bunda em concha, a outra deslizou entre nós.
Esse... esse momento, quando havia Tamlin e eu, e nada entre nossos corpos...
Sua língua raspou o céu de minha boca quando percorreu o dedo para baixo, até meu centro, e gemi, e minhas costas se arquearam.
— Feyre — disse ele contra meus lábios, e meu nome era como uma oração mais fervorosa que qualquer uma que Ianthe tivesse oferecido ao Caldeirão naquela manhã escura de solstício.
A língua de Tamlin percorreu minha boca de novo, no ritmo do dedo que ele deslizara para dentro de mim. Meu quadril ondulava, exigindo mais, desejando a totalidade de Tamlin, e o grunhido dele reverberou em meu peito quando acrescentou mais um dedo.
Movi o corpo contra ele. Relâmpago percorreu minhas veias, e minha concentração se voltou para os dedos de Tamlin, para sua boca, para o corpo contra o meu. A palma de sua mão pressionou o feixe de nervos no ápice de minhas coxas, e gemi o nome dele quando me estilhacei.
Com a cabeça para trás, engoli o ar gélido da noite e então fui deitada na cama, gentilmente, com delicadeza, com amor.
Tamlin ergueu o corpo sobre o meu, e, então, abaixou a cabeça até meu seio, e foi preciso apenas uma pressão dos dentes contra meu mamilo para que eu cravasse as unhas em suas costas, para que eu enganchasse as pernas a sua volta e ele se acomodasse entre elas. Isso; eu precisava disso.
Tamlin parou com os braços trêmulos enquanto segurava o corpo sobre o meu.
— Por favor — gemi.
Ele apenas roçou os lábios contra meu maxilar, meu pescoço, minha boca.
— Tamlin — implorei. Ele segurou meu seio com a palma da mão, roçando meu mamilo com o polegar. Soltei um grito, e, então, ele se enterrou em mim com um movimento poderoso.
Por um momento, eu não era nada, ninguém.
Então nos unimos, dois corações batendo como um, e prometi a mim mesma que seria sempre dessa forma quando Tamlin se afastou alguns centímetros, os músculos das costas se flexionando sob minhas mãos, e a seguir se impulsionou novamente contra mim. E de novo e de novo.
Eu me desfazia de novo e de novo contra o corpo de Tamlin conforme ele se movia, conforme murmurava meu nome e dizia que me amava. E quando aquele relâmpago tomou conta de minhas veias mais uma vez, de minha cabeça, quando gemi o nome de Tamlin, o prazer dele o encontrou. Agarrei-o durante cada onda de tremor, saboreando seu peso, a sensação de sua pele, sua força.
Por um tempo, apenas os sussurros de nossas respirações tomaram conta do quarto. Franzi a testa quando Tamlin se afastou, por fim... mas ele não foi para longe.
Esticou-se de lado, apoiou a cabeça no punho e traçou círculos distraídos em minha barriga, subindo para os seios.
— Desculpe por mais cedo — murmurou ele.
— Tudo bem — sussurrei. — Eu entendo.
Não era mentira, mas tampouco era exatamente verdade.
Os dedos de Tamlin desceram, fazendo um círculo em meu umbigo.
— Você é... você é tudo para mim — disse Tamlin, com a voz rouca. — Preciso...
preciso que fique bem. Preciso saber que não podem afetar você... não podem mais feri-la.
— Eu sei. — Aqueles dedos desceram mais. Engoli em seco e falei, de novo: — Eu sei. — Afastei os cabelos de Tamlin do rosto. — Mas e você? Quem mantém você seguro?
A boca de Tamlin se contraiu. Com os poderes de volta, ele não precisava que ninguém o protegesse, que o defendesse. Eu quase conseguia ver pelos invisíveis se eriçando com irritação — não por mim, mas ao pensar no que ele havia sido fazia apenas meses: escravo dos caprichos de Amarantha, seu poder mal passando de uma gota em comparação com a cascata que agora o percorria. Ele respirou para se acalmar, e, então, inclinou o corpo e beijou meu coração, bem entre os seios. Era resposta suficiente.
— Em breve — murmurou Tamlin, e aqueles dedos voltaram para minha cintura. Eu quase gemi. — Em breve você será minha esposa, e ficará tudo bem. Deixaremos tudo isso para trás.
Arqueei as costas, desejando que a mão de Tamlin descesse, e ele deu uma risada rouca. Não me ouvi falar enquanto me concentrava nos dedos que obedeciam meu comando silencioso.
— Como todos me chamarão então?
Tamlin roçou meu umbigo quando se inclinou para baixo, sugando a ponta de meu seio para dentro da boca.
— Hm? — disse ele, e o tremor contra meu mamilo me fez contorcer o corpo.
— Todos vão me chamar de “esposa de Tamlin”? Eu ganho um... título?
Ele ergueu a cabeça por tempo suficiente para me olhar.
— Você quer um título?
Antes que eu pudesse responder, Tamlin mordiscou meu seio e depois lambeu o pequeno machucado; lambeu conforme os dedos finalmente mergulhavam entre minhas pernas. Traçou círculos preguiçosos e provocantes.
— Não — respondi, com um arquejo. — Mas não quero que as pessoas... — Que o Caldeirão me fervesse, aqueles malditos dedos... — Não sei se aguento que me chamem de Grã-Senhora.
Os dedos de Tamlin deslizaram para dentro de mim de novo, e ele grunhiu em aprovação diante da umidade entre minhas coxas, que vinha tanto de mim quanto dele.
— Não vão — disse Tamlin contra minha pele, posicionando-se sobre mim de novo e deslizando por meu corpo, deixando beijos conforme seguia. — Não existe algo como uma Grã-Senhora.
Tamlin agarrou minhas coxas para abrir minhas pernas e abaixou a boca; então...
— Como assim não existe algo como uma Grã-Senhora?
O calor, o toque... tudo parou.
Tamlin ergueu o olhar de entre minhas pernas, e quase alcancei o clímax ao vê-lo.
Mas o que ele tinha dito, o que deixara implícito... Ele beijou o interior de minha coxa.
— Grão-Senhores apenas tomam esposas. Consortes. Jamais houve uma Grã Senhora.
— Mas a mãe de Lucien...
— É Senhora da Corte Outonal. Não Grã-Senhora. Exatamente como você será Senhora da Corte Primaveril. Eles vão se dirigir a você como se dirigem a ela. Respeitarão você como a respeitam. — Tamlin voltou o olhar para o que estava a centímetros de sua boca.
— Então, a mãe de Lucien...
— Não quero ouvir o nome de outro macho em seus lábios agora — grunhiu, e abaixou a boca até mim.
Com o primeiro toque de sua língua, parei de discutir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NÃO ESTRAGUE A SURPRESA
Dar spoilers é muita crueldade com quem está lendo, por isso, jamais os dê!
Encontrou algum erro gramatical ou de formatação? Comente :D