12 de janeiro de 2017

Capítulo Um

Sair da cama, debaixo de uma quantidade enorme de cobertores, e com o braço do meu homem ao redor da minha cintura, me segurando com força, é mais difícil do que se poderia pensar. Pegamos um voo noturno para Aspen, no Colorado, e chegamos antes do nascer do sol no dia seguinte. Wes me levou para o chalé de sua família — e eu uso o termo “chalé” por delicadeza. O pouco que vi era maior que a nossa casa em Malibu. Fomos para o quarto dele, onde caímos na cama, acabados. Aposto que dormimos antes mesmo de nossa cabeça encostar no travesseiro.
No entanto, agora eu estava bem acordada, e, pelo pouco de luz que espreitava através da cortina, provavelmente era perto do meio-dia. Afastando-me pouco a pouco, me desenrolei do abraço de Wes, tentando não acordá-lo. Saí da cama e quase congelei. Calcinha e camiseta não eram o traje mais adequado. O quarto estava absolutamente gelado. Fui na ponta dos pés até o termostato e aumentei a temperatura para vinte e cinco graus. Vamos colocar o aquecedor para trabalhar!
Dei a volta, encontrei o banheiro e fiz o que precisava, tão silenciosamente quanto um ratinho, antes de localizar minha mala. Peguei uma legging, um moletom de Wes e minhas pantufas felpudas. A sra. Croft tinha me garantido que eu ia precisar delas, e estava certa. Eu precisava me lembrar de agradecer a ela pelo conselho.
Muito mais aquecida e com roupas adequadas, deixei o quarto e desci as escadas. Quando cheguei à metade, parei. Do outro lado do chalé havia uma parede inteira de janelas que iam do chão ao teto, através das quais era possível ver uma cadeia de montanhas. A neve, com pontos verdes e pretos das rochas e árvores, cobria todos os picos. Era de tirar o fôlego. Não há outra maneira de descrever. Como um zumbi, caminhei até a porta-balcão e a abri completamente, deixando o ar gelado envolver meu corpo e minha alma. Minha respiração formou uma névoa aquecida enquanto eu admirava, sonhadora, o que certamente era obra de Deus.
Quando eu olhava para a praia em nossa casa, a vista me acalmava e me dava paz. Olhar para aquela grande cordilheira me deixava serena. Era majestoso e irreal, como se eu estivesse vendo uma fotografia.
Espetacular.
Do nada, braços circularam meu peito, me puxando para o calor.
O queixo de Wes se esfregou em minha pele, entre o pescoço e o ombro.
— Lindo, né?
Deixei escapar uma expiração lenta.
— É muito mais que isso.
Wes beijou meu pescoço, o calor de sua pele formigando contra a minha.
— Estou feliz que você tenha gostado, já que esta vai ser a nossa casa pelas próximas duas semanas e meia. — Sua voz era um estrondo que eu podia sentir ao meu redor e em todos os poros.
— Eu não vou reclamar — respondi, ainda impressionada com aquela beleza natural.
Ele riu.
— Você diz isso agora. Vamos ver se você gosta mesmo de neve daqui a alguns dias, quando precisarmos desenterrar o carro de dentro dela.
Apertei os lábios, enrugando o nariz. Wes adorava quando eu fazia isso. Ele olhou para mim, sorriu e plantou um beijo na minha bochecha.
— Que tal tomar o café da manhã? — perguntou.
Meu estômago roncou.
— Acho que tenho que concordar com a sugestão.
Ele sorriu e me deixou admirando a vista.
— Não fique aqui fora muito tempo. Vai congelar o traseiro.
— Espero que só as partes flácidas! — Eu me virei e bati em seu bumbum conforme ele entrava em casa.
Wes estava certo. Em poucos minutos eu estava congelando, então entrei na casa para ajudar meu noivo a preparar o café da manhã. Encontrei uma manta de chenile em uma das poltronas macias e a joguei sobre os ombros.
Wes estava ocupado na cozinha, pegando frigideiras e o bacon. Ele disse que havia telefonado antes e pedido aos caseiros para providenciar o básico. Nós iríamos precisar fazer compras, mas eles tiveram o cuidado de abastecer a casa com ovos, bacon, leite, manteiga e café. Fiquei extremamente grata por isso.
Fui fazer café enquanto Wes fritava o bacon e aquecia outra frigideira para os ovos.
— O que você quer fazer hoje? — ele perguntou, balançando as sobrancelhas de modo sugestivo.
Revirei os olhos.
Isso não.
Ele fez cara de surpresa.
— Tudo bem. Isso sim, mas não agora — corrigi. — Eu quero ver as coisas. Conhecer a cidade, comprar mais comida e descobrir onde os artistas locais expõem a sua arte. Isso vai me ajudar a planejar a matéria. Além disso, a equipe de filmagem vai estar aqui dentro de alguns dias, então precisamos estar preparados para uma semana com eles.
Wes anuiu e continuou preparando o café da manhã. Depois que comemos, fomos tomar banho juntos, e ele me lembrou que eu queria, sim, um pouco daquilo, antes de pularmos no carro alugado e nos dirigirmos à rua principal.
***
Eu não estava preparada para a beleza extrema com que me deparei no momento em que chegamos ao centro. Animada, saí do carro e girei em um círculo. O cenário roubou meu fôlego enquanto eu absorvia a imponência das montanhas. Era como se o centro da cidade tivesse sido criado dentro de uma bacia, escondido bem no meio da Terra. As pessoas circulavam dentro e fora das lojas, com roupas de cores brilhantes que se destacavam contra o pano de fundo branco das montanhas ao longe.
— Agora eu entendo — sussurrei enquanto contemplava, de olhos arregalados, o cenário que nos rodeava.
— Entende o quê? — Wes perguntou, segurando minha mão enluvada. Mesmo através das camadas de couro e lã, eu era capaz de sentir o calor em minha palma.
— Por que este lugar é tão badalado. É impressionante. Eu já fui para Lake Tahoe e vi montanhas cobertas de neve antes. Já esquiei também, mas nada se compara a isto. — Deixei escapar um suspiro, tentando absorver tudo, mas sabendo que não seria capaz de fazê-lo. Havia muito mais a apreciar. Eu esperava que, ao longo das próximas duas semanas e pouco, aquele lugar majestoso se fundisse à minha memória, para que eu pudesse revisitá-lo sempre que estivesse à beira de uma insolação no sul da Califórnia.
Wes olhou para as montanhas imensas.
— Eu entendo o que você quer dizer. Já estive aqui muitas vezes, vai ser bom ver Aspen da sua perspectiva, com novos olhos.
Sorri e apertei sua mão.
— Aonde nós vamos primeiro? — perguntei, esperando que Wes me guiasse. Ele me puxou para o seu lado, passando o braço em volta dos meus ombros.
— Vamos tomar uma bebida quente ali — apontou para o Café Colorado — e depois caminhar um pouco. O que acha?
Eu me encostei em seu corpo.
— Qualquer coisa com você está ótimo pra mim. Obrigada por ter vindo comigo, aliás. — Esfreguei o queixo ao longo de seu pescoço.
Wes abriu um sorriso tão grande que eu tive certeza de que a luz do sol refletia em seus dentes. Pura alegria atingiu seus olhos verdes e me derreteu. Vê-lo relaxado, confortável consigo mesmo e preenchido com uma sensação de paz seria suficiente para me fazer feliz por um século.
Havia alguma coisa nele que me chamava, falava diretamente com minha essência. Ao mesmo tempo que me fazia muito feliz, me assustava. No entanto, a alegria superava o medo, e eu suspeitava de que seria sempre assim. Estávamos cada vez mais perto de fazer nossos votos um ao outro.
Era difícil acreditar que em pouco mais de três semanas eu seria a sra. Weston Channing. Eu ainda não tinha conseguido assimilar.
Enquanto caminhávamos, Wes comentava sobre lugares legais para jantar e bares que serviam coquetéis e outras bebidas incríveis, se desse vontade. Seguimos pela rua principal, onde avistei um lugar pitoresco, pintado de cor-de-rosa, logo na esquina. O nome era Padaria & Café Main Street.
— Você já comeu naquele lugar bonito ali? — perguntei.
Quando ele ia responder, uma mulher com mais ou menos a minha altura saiu de lá. Ela era magra e usava um belo casaco de couro que batia nos joelhos, com um cinto largo por cima. Um lenço pink flutuava com a brisa, chamando atenção para seu pescoço. O cabelo preto familiar caía em cachos soltos ao redor dos ombros. Tentei desesperadamente ver mais do seu rosto, mas ela estava olhando para baixo, procurando alguma coisa na bolsa.
— ... e eles fazem os melhores ovos benedict... — Ouvi parte das palavras de Wes, mas meu foco estava unicamente na mulher do outro lado da rua. Uma sensação de formigamento surgiu em meus nervos, me confundindo.
A silhueta, o cabelo e a altura da mulher me lembraram muito de alguém que eu conhecia. A sensação de familiaridade atingiu meu cérebro bem lá no fundo, e então dei alguns passos mais para perto do meio-fio, próximo à esquina da padaria. A mulher pegou um par de óculos de sol, e, um pouco antes de colocá-los, seus olhos encontraram os meus. Ofeguei e saltei para trás, batendo em Wes, com o peso daquele olhar.
— Não pode ser... — falei com dificuldade, incapaz de formar mais palavras com a confusão de emoções que me rodeava.
Raiva.
Frustração.
Desespero.
Desamparo.
Abandono.
Tudo isso e muito mais atingiu meu corpo como um trem de carga.
— O que houve, Mia? Qual é o problema? Linda, você está branca feito um fantasma.
Pisquei algumas vezes e olhei para Wes, parado a minha frente, segurando meus braços com firmeza.
— Eu... Eu... Não pode ser ela. — Balancei a cabeça e olhei ao redor, mas a mulher tinha ido embora. Desapareceu, como se nunca tivesse estado ali. — M-m-mas ela estava bem ali! — Olhei para as outras lojas e calçadas. Nada. Sumiu.
— Quem? Quem você acha que viu? — Wes perguntou, a preocupação tingindo seu tom.
Engoli o caroço do tamanho de uma bola de golfe parado em minha garganta e, com lágrimas nos olhos, olhei para o homem que ia comprometer sua vida comigo para sempre. Ele nunca me abandonaria. Com a segurança e a força que seu toque me proporcionou, inspirei o ar frio e disse o nome dela:
— Meryl Colgrove.
Wes franziu a testa.
— Baby, eu não entendi. Quem é Meryl Colgrove?
— Minha mãe.
***
Wes e eu olhamos para todo lado nas ruas por uns bons dez minutos, examinando vitrines e espiando dentro das lojas. Nada. A mulher tinha desaparecido.
Ele me levou para o carro e nós voltamos para o chalé de sua família. Fiquei calada o tempo todo, perdida demais em minhas próprias emoções para conseguir formular uma palavra.
Não podia ser ela. Era como se ela tivesse aparecido do nada. O destino não podia ser tão cruel. Eram mínimas as chances de Meryl Colgrove estar na cidadezinha onde estávamos hospedados para passar as festas e gravar o quadro “Vida bela”.
E se ela mora aqui?
De jeito nenhum. Eu estava vendo coisas. Além disso, tinha perdido o contato com minha mãe havia mais de quinze anos. A probabilidade de encontrá-la em Aspen parecia ridícula. Era só alguém que se parecia muito com ela — ou com a mulher de quem eu me lembrava.
Meus pensamentos giravam como um tornado. Aleatórios. Erráticos. Devastadores.
Quando chegamos ao chalé, eu tinha me convencido de que não era possível que aquela mulher fosse minha mãe. Eu tinha visto alguém muito parecido, só isso. Fim da história. Não tinha nada com que me preocupar. No entanto, meu noivo não havia chegado à mesma conclusão.
Quando entramos na casa, ele caminhou até o bar, pegou dois copos e os encheu com dois dedos de um líquido âmbar, de uma garrafa de cristal.
— Bebida? — Era a primeira palavra que ele dizia desde que eu contara que achava ter visto minha mãe.
— Claro. — Eu me sentei em uma das exuberantes banquetas giratórias do bar. Não eram o tipo de móvel que se compra em lojas de departamentos. Passei os dedos sobre os braços gastos da banqueta, que tinha um aspecto rústico chique.
Wes tomou um grande gole do uísque. O pomo-de-adão se mexeu, instigando a mulher dentro de mim.
Ele se inclinou para a frente e apoiou os cotovelos no balcão.
— O que você acha? Era ela? — perguntou calmamente.
Pela tensão em seu corpo e a incerteza em seu olhar, eu podia dizer que ele não sabia qual era a melhor maneira de começar uma conversa a respeito de uma mulher da qual quase nunca me ouvia falar. E minha reação provavelmente deu uma boa indicação de como eu me sentia.
— Não tenho certeza. — Dei de ombros. — A semelhança era impressionante.
Wes assentiu.
— Por que nós estamos aqui, Mia?
Meus ombros se ergueram quando a tensão começou a me envolver.
— Eu não sei, baby. É estranho. A Shandi, assistente do dr. Hoffman, falou que eu tinha que vir. Ela organizou tudo com a equipe e me avisou.
— Quando é que nós vamos encontrar o tal homem da montanha? O cara que fez uma “grande doação” — Wes fez gesto de aspas no ar — para o programa em nome dos artesãos da região, sendo que um deles é sua esposa?
Eu não podia negar que a coisa toda era estranha. No entanto, estava acostumada com coisas estranhas. Peculiares. Meu ano inteiro tinha sido construído sobre uma cadeia aleatória de acontecimentos que me levavam aonde eu era necessária. Até agora, havia funcionado. Eu conheci o homem com quem ia me casar. Fiz amigos para a vida toda. Encontrei meu irmão, Maxwell. Salvei meu pai. E comecei uma nova carreira, que estava amando. Tive alguns problemas no caminho, mas tudo deu certo no fim das contas. Honestamente, eu não queria perder muito tempo questionando.
Saindo da banqueta, dei a volta no bar, fui até meu noivo e passei os braços ao redor da sua cintura.
— O nome dele é Kent Banks. Acredite ou não, eu também achei um pouco estranho. Então liguei para o Max, contei tudo pra ele, e sabe o que aconteceu depois? — Sorri. Meu irmão era absurdamente protetor com relação a mim e a Maddy. Saber que um cara qualquer tinha supostamente oferecido um bom dinheiro para eu fazer uma matéria sobre algo tão simples quanto os artesãos da cidade deixou Max intrigado. Na verdade, levou ao extremo o instinto de proteção.
Wes sorriu e me puxou contra seu peito.
— O Max chamou os cães de guarda dele?
— Se você está se referindo ao detetive particular, a resposta é sim. O Max é paranoico. Você sabe disso.
Meu noivo me abraçou apertado.
— Eu já te disse que adoro o seu irmão? Ele é um cara muito legal. — Wes olhou ao longe, sereno, porém de forma exagerada.
Eu ri e pressionei o nariz em seu peito. Inspirar sua loção pós-barba e seu perfume invernal enviou vibrações de excitação pelo meu corpo. O espaço entre minhas coxas se apertou automaticamente diante do pensamento de tê-lo mais uma vez.
— É mesmo.
— O que ele descobriu? — Suas mãos se apertaram ao meu redor e seus dedos tocaram a parte baixa das minhas costas, massageando qualquer possível tensão causada por um dia de viagem e pela caminhada no centro de Aspen.
Gemi quando ele apertou um ponto particularmente dolorido.
— Hum, ele disse que o cara é um militar aposentado que tem formação em arquitetura. Fez fortuna projetando casas de inverno no mundo inteiro. Parece honesto. O Max disse que ia continuar investigando, mas não pareceu muito preocupado. Especialmente quando eu disse que você ia ficar comigo o tempo todo.
As mãos de Wes subiram pelas minhas costas, até meu cabelo. Ele segurou minha nuca e virou meu rosto para que meus olhos o encarassem.
— Eu nunca vou deixar que nada te aconteça. Você é a minha vida. O meu tudo. Eu não quero existir em um mundo sem você.
— Nem eu — sussurrei.
Wes se inclinou para a frente e tocou minha boca com a dele. Uma sensação muito suave. Manteve os lábios pairando sobre os meus para que eu pudesse sentir o movimento e, logo em seguida, falou novamente. Eu o ouvi direto no coração.
— Eu sempre vou te proteger. De tudo e de todos. — Seu nariz roçou o meu quando seu rosto se aproximou mais um centímetro. — Seja no trabalho, na sua família, ou de fantasmas que aparecem do nada. De agora em diante, Mia, nós enfrentamos tudo juntos.
Assenti.
— Tudo bem, baby. Nós enfrentamos tudo juntos — falei e, em seguida, encostei a testa na dele. Esse simples toque afastou toda preocupação, dúvida e receio que eu tinha sobre a possibilidade de ter visto minha mãe e sobre o que eu deveria estar sentindo a respeito.
— Posso te beijar agora? — ele perguntou. Sua voz era um estrondo baixo, o som de um homem que estava perdendo o controle. E eu queria isso. Precisava. Sorri.

— Por favor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NÃO ESTRAGUE A SURPRESA
Dar spoilers é muita crueldade com quem está lendo, por isso, jamais os dê!
Encontrou algum erro gramatical ou de formatação? Comente :D